15 de janeiro de 2020

O Jejum de Daniel

Jejum de Daniel


O QUE É O JEJUM DE DANIEL E QUAL O SIGNIFICADO BÍBLICO





A Bíblia conta basicamente 3 tipos de jejuns. O jejum "absoluto" e o "sobrenatural absoluto” são ambos jejuns totais, sem alimentação sólida ou líquida. Paulo fez um jejum absoluto de três dias após seu encontro com Jesus na estrada para Damasco (Atos 9:9). Moisés e Elias se engajaram no que deve ser considerado um jejum sobrenatural absoluto de quarenta dias (Deuteronômio 9:9; I Reis 19:8) - querido leitor, se você está pensando em jejuar, recomendamos fortemente a leitura do texto Jejum, onde colocamos várias recomendações sobre como fazer jejum com segurança. Um terceiro tipo de jejum (“jejum parcial”) é descrito no livro do profeta Daniel. Acompanhe.

Em 605 a.C. Daniel foi levado cativo de Judá para a Babilônia. Lá, ele fez jejum em duas ocasiões. A primeira foi a fim de “não contaminar-se com as finas iguarias do rei, nem com o vinho que ele bebia” (Daniel 1:8). Durante o diálogo que Daniel tem com o cozinheiro-chefe percebem-se os detalhes do jejum: “...peço-te, os teus servos dez dias; e que nos deem legumes a comer e água a beber” (Daniel 1:12). Não se encontra no texto a razão que levou Daniel à decisão de que ele se contaminaria por causa da comida do rei. O mais provável é que isso envolveria uma violação das leis de Moises relacionadas à alimentação, descritas em Levítico 11;17. De qualquer forma o texto deixa claro o jejum parcial de Daniel: duração de dez dias e a dieta de apenas água e legumes.

Em uma segunda ocasião Daniel faz novo jejum descrito dessa forma: “Naqueles dias, eu, Daniel, pranteei durante três semanas. Manjar desejável não comi, nem carne, nem vinho entraram na minha boca, nem me ungi com óleo algum, até que passaram as três semanas inteiras” (Daniel 10: 2-3).

Do ponto de vista alimentar, não encontramos na Bíblia maiores detalhes sobre o jejum de Daniel, de forma que interpretações com algumas variações têm sido dadas. Uma interpretação literal mostra dois tipos diferentes de jejuns. No primeiro (de 10 dias) é dito o que será ingerido: legumes e água. No segundo (de 21 dias) é dito o que não será ingerido: “manjar desejável”, carne e vinho.

De uma forma geral, o jejum de Daniel lembra uma dieta vegana mais restritiva ainda. As expressões “finas iguarias” e “manjar desejável” são interpretadas como alimentos adoçados, fermento, cafeína, aditivos e alimentos processados. A carne é interpretada como todo tipo de carne, incluindo seus derivados.

Resumo do jejum de Daniel

Podem ser consumidos os seguintes alimentos: verduras (ex.: alface, repolho, couve, brócolis, couve-flor, espinafre, rúcula etc.), legumes (ex.: arroz, feijão, pimentão, abobrinha, batata, cenoura, cebola, milho, trigo etc. ), frutas, sementes (gergelim, linhaça, amêndoa, girassol etc. ) e água.

Este texto não tem intenção de apresentar uma dieta alimentar e sim um tipo de jejum descrito na Bíblia, realizado por um de nossos queridos profetas. Quando o povo de Deus jejua corretamente – concentrado, com o espírito quebrantado e arrependido - Deus ouve e cura nossas vidas, nossas igrejas, nossas comunidades, nossa nação. Um incrível poder é liberado através de você à medida que você jejua e ora. Você pode ser avivado pelo Espirito Santo.





Referências:
  • Bíblia de Estudo de Genebra
  • https://www.gotquestions.org/Daniel-fast.html


Assuntos relacionados:

Nenhum comentário:

Postar um comentário